sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Trilogia Breathing - Rebecca Donavan - Editora Pandorga

“Viver nos erros do passado pode destruir o seu futuro”



Trilogia Breathing
Uma Razão para Respirar – Livro 1 - 496 págs  R$ 17,80 - Saraiva 23/01/15
Quase sem Respirar – Livro 2 - 560 págs - R$ 23,09 - Saraiva 23/01/15
Eu escolhi Respirar – Livro 3 - 424 págs - R$ 22,71
Rebecca Donavan – Ed. Pandorga

Traduzir em palavras todos os meus sentimentos  lendo essa trilogia seria uma grande crueldade com a autora. Muito poucas vezes na minha vida literária me senti tão absorvida por uma historia como essa.
O primeiro livro trata da violência domestica, quando Emma Thomas, que vive com seus tios após a mãe a ter abandonado por causa do alcoolismo e o pai falecido. Sua tia sádica e descontrolada acaba por descontar todas as suas frustrações com agressões físicas e verbais em cima da adolescente. Além disso, a adolescente tem uma tendência à automutilação. Sara é a única pessoa no mundo que está ao seu lado. Até aparecer Evan e sua vida virar de cabeça para baixo. As agressões se tornam mais frequentes e mais violentas cada vez que Emma tenta viver um pouco mais a vida. Até o dia em que resolve fugir e dessa vez sua tia passa dos limites e quase chega a mata-la.
No segundo livro, a vida recomeça, mas não da maneira que todos esperamos. Emma vai morar com a sua mãe e conviver com essa doença que é o alcoolismo. Nos momentos de sobriedade, ela até tenta recuperar o tempo perdido e tornar-se uma boa mãe, mas assim que o álcool corre nas veias, o monstro e todas as mágoas vem a tona, expondo a Emma todas as culpas que ela pode conseguir colocar em cima da filha. Sara juntamente com Evan ainda continuam sendo o seu apoio. Mas aparece Jonathan que é o novo e bem mais novo namorado de sua mãe. Eles acabam se identificando por todos os problemas passados em suas respectivas infâncias e Emma encontra um amigo. Mas com todos os erros cometidos pela mãe, acabam pagando caro por essa amizade. Paralelamente a todo esse sofrimento, Emma tem seu oásis junto a Evan, que descobre o amor, o companheiro, o amigo, mas tudo tem um limite. Ela não consegue ser tão verdadeira com ele em relação aos seus “monstros internos” como é com Jonathan. Emma abandona a todos e vai para a faculdade.
O terceiro livro é a coroação dos outros dois. Não poderia haver final mais impressionante, impactante, chocante e qualquer outro adjetivo para essa série. Emma volta à vida e isso é o mais importante.
Tira-se dos livros várias lições de vida, de superação, de comportamento e principalmente do que acontece com a vida dos filhos por causa da escolha dos pais. Sim é verdade. Muitas vezes alguns pais precisam se perguntar ou analisar o porquê do comportamento dos filhos. E a vezes a resposta é simples: são eles mesmos.
Emma Thomas é uma adolescente marcada pela tragédia. A morte de seu pai, o abandono da sua mãe por causa do alcoolismo e a violência domestica em seu lar adotivo. Mas o principal é a violência psicológica que foi incrustada dentro dela que a fazia sempre se cobrar mais, sempre abrir mão do que ela estava sentindo em detrimento do sentimento dos outros e mais ainda afastando a todos de si, para não partilhar sua dor e suas angustias.
É muito difícil traduzir em palavras o todo desta obra e que para mim deveria ser lida por pais, adolescentes, futuros pais e avós. Para todos há uma lição, uma dica e um ensinamento.
Mostra como algumas palavras, atitudes, comportamentos ou mesmo a maneira como tratamos as pessoas a nossa volta pode causar estragos. Às vezes comparações simples com defeitos que outras pessoas possuem acabam marcando a personalidade de uma criança.
Rebecca Donavan deixa a entender que essa história tem um fundo de verdade. Mas também um alerta: A violência domestica não é só a física. E plagiando suas ultimas palavras no livro: “Por fim quero expressar a minha admiração pela coragem e perseverança de cada sobrevivente de abuso domestico. Existe esperança. Existe amor. Existe ajuda. Você não está sozinho.”
Falar desses livros acaba sendo doloroso para mim. Acabou.

Por Renata Margaria – Coluna Estante – Revista Em Dia – Jornal O Retrato – Vem Bonita http://colunaestante.blogspot.com/